E VOCÊ, AINDA NÃO LEU?

FOTO: Beatriz (@umbosqueliterario) LOCAL: Juazeiro do Norte

Cada um lê o que quer, mas alguns, lêem o livro do momento, o “BARATA, O ALIMENTO“.

O LIVRO/EBOOK ESTÁ DISPONÍVEL EM AMAZON.COM.BR E AMAZON.COM. ACESSEM O LINK ABAIXO E BOA LEITURA, GALERA ESPERTA 😉📖

CAMINHOS QUE FALAM

FOTO: Mariana Pellin via @VaNaTórgo

“𝑂 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑒𝑠𝑝𝑒𝑡á𝑐𝑢𝑙𝑜 𝑑𝑜 𝑝𝑜𝑏𝑟𝑒, 𝑑𝑎 𝑎𝑡𝑢𝑎𝑙𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒, é 𝑐𝑜𝑚𝑒𝑟” – Carolina Maria de Jesus

𝐏𝐬: 𝐀 𝐞𝐬𝐜𝐫𝐢𝐭𝐨𝐫𝐚 𝐞𝐬𝐜𝐫𝐞𝐯𝐞𝐮 𝐚 𝐟𝐫𝐚𝐬𝐞 𝐚𝐜𝐢𝐦𝐚 𝐫𝐞𝐭𝐫𝐚𝐭𝐚𝐧𝐝𝐨 𝐨 𝐁𝐫𝐚𝐬𝐢𝐥 𝐝𝐨𝐬 𝐚𝐧𝐨𝐬 50 e a fome, infelizmente, perdura ✊🏾

LEIAM O LIVRO/EBOOK DO MOMENTO, O “BARATA, O ALIMENTO“. DISPONÍVEL EM AMAZON.COM.BR E AMAZON.COM. ACESSEM O LINK ABAIXO ✊🏾😉📖

BARATA, O ALIMENTO

FOTO: Mariana Pellin LOCAL: Morro dos Conventos – SC

QUANDO VEREM ESSE ADESIVO , SE LIGUEM, POIS O LIVRO DO MOMENTO, O “BARATA, O ALIMENTO“, ESTÁ NA ÁREA, GALERA ESPERTA 😉📖

“Marcel ouvia atentamente a jovem, que por sua vez, olhava um grupo de outros jovens
que passava à frente deles. Eles conversavam sobre um lugar na costa sul onde havia uma pequena barreira que foi construída numa espécie de dique para conter o avanço do mar. Segundo uma das pessoas do grupo, ali era um local onde era possível pegar baratas d’água que costumavam se esconder nas pedras e eram mais palatáveis por serem salgadas.

Eles seguiram o grupo caminhando quase que lado a lado a eles. Era um grupo bastante jovem, mais jovem que Marcel e Angie, mas percebia-se que eram jovens apenas pelos seus comportamentos e indumentária. Seus aspectos não eram em nada diferentes do que era o de outras pessoas em virtude da dieta imposta. Era nítido observar em seus rostos que suas feições caminhavam gradativamente para o mesmo tom esquelético de todos. Os olhos fundos e as bocas rachadas também eram marca registrada, assim como as psoríases que se espalhavam pela pele formando uma camada espessa de tecido morto. A juventude, que estava ficando cada vez mais escassa, quase se equiparava em aparência aos mais velhos, num processo de degeneração do corpo, da mente e da alma de pessoas que agora viviam preocupadas em comer para não morrer ao mesmo tempo que morriam lentamente para viver um pouco mais de forma consciente.

Enfim chegaram ao local onde ficava a barragem. Era uma área que sempre foi de acesso mais turístico por ser costeira e naquele momento, era passagem de poucos e menos habitada ainda por pessoas que ali residiam e pelo comércio local. Entraram na água salgada até quase a altura de seus quadris, mas os corpos estavam completamente molhados pelo marulho das ondas, que por vezes, espancavam com mais violência as pedras, envolvendo-as num abraço espumoso. Após a expessa camada branca se dissipar era o momento da caçada, e eles agiam rápido. Ao mesmo tempo que tentavam retirar a água de suas faces buscavam manter seus olhos atentos nas fendas entre as pedras, enquanto com uma espécie de rede para caçar borboletas feitas com coadores de café velhos e estopa de sacos de babatas eles capturavam as pequenas e rápidas baratas d’água. Outros indivíduos, sozinhos ou também em grupo, empreendiam a mesma atividade, numa luta em dose dupla contra a natureza, pois além de terem que ser mais rápidos do que as ondas, tinham que ser mais ágeis do que os peixes e os pássaros que viviam de coletar mariscos e insetos no rebojo” LEIAM O LIVRO/EBOOK “BARATA, O ALIMENTO“. DISPONÍVEL EM AMAZON.COM.BR E AMAZON.COM OU CLICANDO NO LINK ABAIXO:

PRETOS EM FOCO

FOTO: Jeru Banto Via Instagram

Fala galera! Há tempos, que tento ter mais comprometimento em relação à causas sociais. Contudo, uma inquietação, passou a surgir no meu ser: O que eu faço, em tudo o que faço, pela causa preta, principalmente, sendo eu um preto?

Isso posto, decidi optar por um novo projeto no ano de 2021, que é apresentar aos que acompanham o BLOG “ARTE E ARTIVISMO” alguns trabalhos dos irmãos e promover um pouco mais de visibilidade para toda gente preta que possamos atingir e jogar cada vez mais os seus potenciais e os resultantes societários do que estes fazem ao vento.

FOTO: Compartilhada via Jeru Banto no Instagram

Hoje, apresento-lhes o cantor Jeru Banto. Nem sei se é apropriado dizer que o artista, é do Rio de Janeiro, sendo que, pessoas como ele, que fazem arte expressa na música, se restringem apenas a um lugar nesse mundo imenso.

Nascido Rogério de Carvalho Barbosa, o Jeru, desde cedo, escolheu o caminho da música como forma de vida, arte e ativismo pela causa do povo pobre e preto da periferia, como uma dádiva, eu diria. Ele, desde seus primórdios, conforme o próprio diz, entende o som e sua forma de tocar os seres humanos “como o tipo de arte que mais causa impacto positivo na formação da personalidade dos indivíduos, positivamente ou negativamente, a depender da linguagem poética impressa em cada canção e sua apreensão da parte dos receptores“.

Seu reggae, rap, ragga, dub ou quaisquer outros estilos, pelo qual o artista passeia com a desenvoltura de um amigo íntimo de cada sonoridade, é força, é raiz é caule e fruto que, ao ser saboreado, torna-se impossível não compreender ao que ele vem.

FOTO: Compartilhada via Jeru Banto no Instagram

Suas letras, vão além de sons de protesto e representam o compromisso que deve ser pessoal que devemos ter pelo bem comum, contra todo autoritarismo e sectarismo que sempre tenta se erguer.

FOTO: Compartilhada via Jeru Banto no Instagram

Além de fazer parte do disco REFAVELA REMIX, que conta com a participação de ninguém menos que GILBERTO GIL, o artista se apresentou na edição de 2017 do ROCK IN RIO BRASIL, em duas edições do FESTIVAL UNIVERSO PARALELLO, na Bahia (2009 e 2018) além de participações especiais em shows de diversos artistas no âmbito musical. É possível encontrar seu material disponível no YouTube, Instagram e Facebook. Vale muito à pena dar uma conferida no trabalho do cara, curtir, compartilhar e dar cada vez mais apoio aos artistas nacionais… E principalmente, aos pretos. Muita fé em Jah e “PODER PARA O POVO PRETO”

FOTO: Fonte O GLOBO online

O GAME DE JANEIRO: THE LAST OF US PART II

FOTO: Elieser Borba LOCAL: Austria

SEM SPOILERS

Fala galera! O game de Janeiro, para mim, foi o aclamado “THE LAST OF US PARTE II” e vou lhes dizer que, o game da NAUGHTY DOG, não deixa em nada a desejar, comparado à primeira versão do jogo.

Joguei ele bastante atrasado, em comparação a galera que, assim como eu, aguardava há alguns anos sua continuação. Contudo, de forma alguma, joguei menos empolgado.

O jogo em em si, não traz muita coisa nova, em termos de jogabilidade. Pouquíssimo foi adicionado na movimentação dos personagens e em seus aparatos bélicos para enfrentar as ameaças do mundo caótico e apocalíptico do game. No entanto, cada detalhe a mais, faz o jogo ser mais fenomenal do que o primeiro foi.

Via The Verge

O ponto mais positivo, na minha opinião, foi a forma de como os desenvolvedores de “LOU II“, conseguiram fazer um game que mexe tanto com as nossas mais profundas emoções, sentimentos esses, impressos em cada minúcia da história, na forma em que a mesma foi roteirizada e em aspectos de um jogo que, revoluciona tudo no mundo dos games eletrônicos, fazendo até sua imponente qualidade gráfica, ficar em segundo plano. A “loucura positiva”, por assim dizer, já se dá no sentido de que, muito do jogo é jogado por nós é pelo prisma do “inimigo”, o que nos faz automaticamente questionar, ser esse inimigo, mais ou menos pior do que quem achamos serem os mocinhos (Joe, Ellie e toda a galera de Jackson) e mais, nos transporta para questões sociais imanentes à nossa vida real. Em suma, os dois lados de uma mesma moeda num mundo onde, como o “Fau”, um camarada e gamer, como eu, costuma dizer, é “cada um por si”.

Poucas vezes me emocionei com um jogo a ponto de chorar em seu final (isso apenas tinha acontecido comigo em UNCHARTED III), mas LOU II, me tocou, e acredito que tenha tocado a todos os que o jogaram, de forma muito sutil. Tudo, neste jogo, acontece de maneira homeopática, devagar e lentamente, e quando o jogador percebe, liga determinados pontos da história e entende o que se passa, é impossível não ter os nervos à flor da pele. Um jogo completo, e que fez muito jus a ser eleito o jogo do ano de 2020.

O sentimento final é de não querer olhar para o videogame, depois de jogar um jogo desses, pois tudo parece ser “pequeno” e sem importância de darmos atenção após a apreciação de uma verdadeira obra prima.

FOTO: Via ScreenRant

Não vou dizer que, o direi agora, foi algo que aprendi com esse jogo, pois há alguns anos exercito isso em minha vida, mas “ao despedirem-se de alguém que gostam, façam isso sempre com palavras de amor. Nós nunca saberemos se nós ou os outros, estaremos vivos, no outro dia”.

Abaixo, segue um video curto de gameplay que fiz no Canal do Youtube. Deleitem-se:

“BARATA, O ALIMENTO” resenha por @saralimaautora

ARTE: @autorasaralima

Galera que curte ler, é o seguinte. Está rolando uma resenha 𝐅-𝐄-𝐍-𝐎-𝐌-𝐄-𝐍-𝐀-𝐋 do livro/ebook do momento, o #barataoalimento no IG da @saralimaautora . Valeu Sara, e boa leitura, pessoal ☺️📖

⭐⭐⭐⭐⭐Vi um post da Cecília da Silva do @mimosliterarios1 e pensei: “O que é isso?” Adquiri o livro em e-book e tive a oportunidade de ter uma conversa com o autor antes de efetivamente ler. Elieser, com seu jeito bem articulado e carismático, fez com que eu me sentisse sua amiga com apenas meia dúzia de palavras jogadas na rede social, lembro bem quando ele disse que seu livro era muito mais do que baratas.

🙌🏻Retorno após ler “Barata, o alimento” e posso dizer que você fala sobre tudo, menos sobre baratas, e que suas escolhas foram certeiras, desde a escolha do animal, ao conceito de um 𝐃𝐄𝐒𝐏𝐄𝐑𝐓𝐀𝐑, tudo se encaixa!

ARTE: @autorasaralima

🙋🏻‍♀️ Caro leitor, prepare-se para fortalecer seus estômagos, perder suas vendas e ter os pulsos livres das algemas. Não será preciso muita reflexão para entender a que exatamente o autor se refere nessas páginas, ao mesmo passo em que ele te afoga nisso, 𝐑𝐄𝐅𝐋𝐄𝐗𝐀̃𝐎. A leitura foi fluida e instigante, o desconforto vem em maior ou menor escala de acordo com o quanto você está “presente” na realidade em que vive. A distopia é muito bem estruturada e traz todo aquele sentimento de opressão e privação, por vezes, desespero mesmo, vale muito a leitura!

ARTE: @autorasaralima

🌱Querido Elieser, é com lágrimas nos olhos que termino a sua obra, esperando firmemente que tenhamos ao nosso alcance algum tipo de redenção” – 𝐎 𝐋𝐈𝐕𝐑𝐎/𝐄𝐁𝐎𝐎𝐊 𝐁𝐀𝐑𝐀𝐓𝐀, 𝐎 𝐀𝐋𝐈𝐌𝐄𝐍𝐓𝐎” , 𝐄𝐒𝐓Á 𝐃𝐈𝐒𝐏𝐎𝐍Í𝐕𝐄𝐋 𝐄𝐌 𝐀𝐌𝐀𝐙𝐎𝐍.𝐂𝐎𝐌.𝐁𝐑 𝐄 𝐀𝐌𝐀𝐙𝐎𝐍.𝐂𝐎𝐌 📖☺️

CAMINHOS QUE FALAM

FOTO: @krawallbarbiii via Instagram LOCAL: Leipzig – Alemanha

EU SAÚDO AGORA O POVO PRETO DE TODA A PARTE DA TERRA QUE ME ASSISTE E QUE NUNCA TIVE COMO SENDO AUSENTE. MESMO NUM DIA COMO O DE HOJE, QUE ALGUNS DE VOCÊS, OS QUE NÃO FORAM POR NÓS ATINGIDOS E QUE NÃO ESTÃO AQUI CONOSCO. VOCÊS SERÃO LEMBRADOS NA NOVA HISTÓRIA QUE O MUNDO ESCREVE.

 O MUNDO EM QUE SEMPRE VIVEMOS NUNCA FOI O IDEAL PARA QUEM É NEGRO, OUTRORA ESCRAVIZADO E QUE ATÉ O DIA DE HOJE CONTINUAVA VIVENDO A AGONIA REAL. EM TODO O ARDOR DO TRABALHO, OS SALÁRIOS DOS PRETOS SEMPRE SEGUIU AO CONTRÁRIO DO BRANCO, RARAMENTE MAIOR.

O ESFORÇO DOS CAUCASIANOS, EM COMPARAÇÃO COM O NOSSO, NUNCA VERTEU O MESMO SUOR. MAS A PARTIR DE HOJE, NOSSAS VIDAS TERÃO POUCAS DORES, TAMPOUCO ELES IRÃO NOS ENXERGAR COMO ALGO MENOR. HOJE, ESTAMOS LHES ARRANCANDO MAIS QUE OS OLHOS, NÓS ESTAMOS QUEBRANDO O MAIOR MONOPÓLIO DOS QUE SEMPRE NOS DERAM O PIOR.

 AO LONGO DE DÉCADAS, NOS TRATAM COMO LIXO, OS MAIS PERSEGUIDOS, POR VEZES BANDIDOS, MORTOS DE GRAÇA, COLOCADOS ABAIXO DE NADA. MAS ELES NUNCA SOUBERAM QUE NOSSOS PUNHOS, DE TANTO TRABALHO DOÍDOS, SEMPRE ESTIVERAM ERGUIDOS, SEMPRE SEGUIMOS UNIDOS, COM NOSSAS MÃOS LEVANTADAS.

 MAS HOJE, MEUS IRMÃOS E IRMÃS, NÃO TEMOS SÓ OS PUNHOS CERRADOS, DEIXAMOS O MEDO DE LADO, E LHES TOMAMOS TAMBÉM A ESPADA. E LHES DIGO QUE TODOS OS CABOS QUE AINDA NOS MANTINHAM AMARRADOS SERÃO FRIAMENTE CORTADOS.

 NÓS SOMOS AQUILO QUE NÃO DEIXAMOS DE REALIZAR, E AGORA, ESTAMOS REALIZANDO O MAIOR FEITO DA HISTÓRIA DA HUMANIDADE, TRANSFORMANDO O MUNDO NUMA SÓ CRENÇA, NUMA SÓ COR, UMA SÓ UNIDADE” –

𝐓𝐑𝐄𝐂𝐇𝐎 𝐃𝐎 𝐋𝐈𝐕𝐑𝐎/𝐄𝐁𝐎𝐎𝐊 #barataoalimento . 𝐃𝐈𝐒𝐏𝐎𝐍𝐈́𝐕𝐄𝐋 𝐄𝐌 𝐀𝐌𝐀𝐙𝐎𝐍.𝐂𝐎𝐌.𝐁𝐑 𝐄 𝐀𝐌𝐀𝐙𝐎𝐍.𝐂𝐎𝐌 . UM LIVRO NECESSÁRIO PARA TODA GENTE PRETA.

PRETOS EM FOCO

FOTO : @literabosque via Instagram

Olá, galera esperta! Estamos aí para mais uma sexta-feira que o BLOG “ARTE E ARTIVISMO” dá o foco à mais uma PERSONALIDADE PRETA.

Hoje, gostaríamos de falar sobre a Beatriz. A jovem tem um perfil literário (@umbosqueliterario) que é muito legal e sempre apresenta diversas experiências literárias incríveis no Instagram.

FOTO: @umbosqueliterario via Instagram

Suas dicas de livros perpassam absolutamente todos os gêneros da literatura, abrangindo autores nacionais e internacionais. Ela também é musicista e integrante do incrível coletivo do “PONTO DE CULTURA HIP HOP CARIRI“, que desenvolve um trampo fenomenal na difusão da cultura Hip Hop, do Underground ou não.

FOTO: @literabosque Via Instagram
FOTO: @da_groove_recordes via Instagram
FOTO: @b.bettyfarias Via Instagram

A Beatriz também é a gestora de uma locadora de livros que funciona em Juazeiro do Norte. Uma iniciativa linda e constituída com muito amor por essa garota obstinada que, bem sabe o valor que a literatura tem para a formação social e cultural das pessoas. Conforme a mesma cita, no trecho abaixo em uma de suas postagens:

Lembro como se tivesse sido ontem, tivemos uma inauguração incrível, iniciando com apenas 50 livros. Hoje contamos com mais de 200 obras graças às doações. O objetivo de levar a leitura para a maior parte da população e torná-la acessível à todos, foi o que me manteve firme para continuar. Muitos empecilhos, pedras no meio do caminho, barreiras, crises de ansiedade, auto sabotagem, tudo isso me pegou desprevenida em 2020. Mas, ninguém disse que seria fácil. E desistir, definitivamente, não está  na minha lista de coisas a serem feitas na vida. Isso, graças as pessoas que vêm me apoiando desde o início e seres maravilhosos que apareceram na minha vida no decorrer do ano.

Quem tem um amigo, tem tudo – Emicida

Irei começar os meus agradecimentos, citando um grande amigo, escritor e ativista. Elieser Borba, foi a primeira pessoa a botar fé no meu trabalho, depois de mim, claro! Elieser (@eeborba) é um escritor incrível e uma forte referência. Me ajudou muito e é um dos motivos para eu não desistir de todo o meu trabalho. “Lembro de uma conversa nossa em que ele falou que me admirava e que estaria disposto a me ajudar em qualquer coisa que eu precisasse. É muito incrível quando a admiração, o respeito e o sentimento de companheirismo é recíproco, fiquei extremamente feliz e posso dizer com grande sinceridade que conhecer o seu trabalho fez uma grande diferença na minha vida. Elieser, muito obrigada por tudo

E por fim, o agradecimento é todo meu, Beatriz, por me dar a honra de ter VOCÊ como parte de minha vida pessoal e artística. PODER PARA O POVO PRETO ✊🏾

VISITEM O PERFIL DA BETTY, NO INSTAGRAM E ACOMPANHEM TAMBÉM AS NOVIDADES DA GROOVE RECORDES