A DANÇA ACABOU

Proibido-celular-em-show

        O sentimento mudou quando pela manhã o toque de amor na pele do outro na cama foi trocado pelo toque da tela. O despertador já não faz tik tak, da mesma forma que não se sabe se é cedo ou tarde sem tocar um botão. Há muito o relógio de pulso está ficando guardado, o tempo escasso e as coisas mais sérias já não tem a devida atenção.

         The feeling change when during the morning the love touch in the skin in the bed was changed for the tough in the screen. The alarm clock no longer ticks, and we don’t know if is to late or early without touch one button. A long time ago the watch is being stored, we have less time and we give no much atention to the most serious things.

        O parabéns na festinha ainda existe, mas as palmas são poucas, são pessoas sem mãos. Amantes da dança já não dançam tanto, o palco é na tela onde está a atenção. Lembrar o momento não importa, pra isso existe o cartão de memória e muitos não olham no olho mas todos olham os outros se conhecendo ou não.

         Still There Happybirthday songs in the parties, but the clapping is to less, people have no more free hands. Who love’s dance don’t dance to much anymore, the stage is in the screen where the atention is. Remember the moments in not important, there is a memory card and a lot of people do not look eye in the eye, but they all look the others even you know or not.

        Tudo ficou controverso, todos cinegrafistas de filmes sem nexo, e até mesmo o sexo caiu numa rede de angústia. Quem antes gozava sem trauma, hoje tem que trepar sem ter calma, um simples ruido tira a concentração. As pessoas agora tem voz, todo mundo se torna feroz, achando está certo por vezes seguindo o lado torto vida.

         Everything is controversial, everybody filmmakers of senseless movies, and even the sex falls in a distress network. Who before come without trauma, today needs make sex without calm, the most simple noise take away the concentration. People now have voice, everybody becoms fierce, and think to be right living the outsider life.

        Nos shows já não acendem isqueiros, jornais e revistas não estão no banheiro, a leitura de um livro é coisa do passado. A comida à mesa está fria, no copo as moscas já boiam sem vida, a atenção é perdida mesmo na refeição. Num canto a boneca dorme eternamente, nos bares lotados e cheios de gente, ninguém fala de nada, mas todos tem algo à mão. Ao longe se ouve um ruido, um lamento sofrido, o uivo de um cão. Seu dono não pôs sua comida, atendeu a chamada da amiga e saiu às pressas sem lhe dar atenção.

         At the concerts no more lighters come on, Newspapers and magazines are not in the toilets, read a book is something of the past. The food on the table is cold, in the glass the flies float lifeless, the attention is lost even at meal time. In a corner the doll sleeps eternally, in the crowded bars with a lot of people anyone talk, but everyone has their hands busy. In the distance there’s a noise, a lament suffered, the howl of a dog. The owner did not put his food, he answered a friend’s call and hurried off without paying attention.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s