HISTÓRIA DE ESQUINA

unnamed (5)

FOTO: Elieser Borba

Nunca neguei minha atração por tipos “diferentões”, e a última palavra segue entre aspas para homenagear um grupo específico das redes sociais. Noutro dia desses, dia de sol e praia em Copacabana encontrei dois desses tipos pitorescos que recheiam o meio urbano em todo lugar do mundo. Um é guardador de carros na Orla e o outro vende muambas nas areias da praia.

I’ve never denied my attraction for “weird” people, and the last words is in quotes to honor a specific group in the social networks. Another day, a sunny day and beach day in Copacabana I meet two guys that belong of this interesting kind of group that is part of the urban environment in all places in the world. One of them keep the cars in Copacabana and Leme and another one sells some stuffs in the beach sands.

 

Ambos vivem na rua, e não via o primeiro fazia tempos. Acredito que a última vez em que conversamos foi à época em que eu ainda distribuia um café da manhã aos moradores de rua do Leme nas manhãs de sexta. Paramos os três para conversar:

They both live in the streets, and I don’t meet the first one for a long time. I believe that the last time that we had some conversation was in the time when I give the breakfast to the Leme homeless in the Friday mornings. In the end we stop to have a conversation:

 

– E aí, como vão as coisas? Perguntei-lhe

– How about your life? I asked him

 

– Estão indo!! Respondeu o rapaz magrelo e de olhar longe, que muito embora pareça muito castigado pela vida e por sua condição de morador de rua e usuário assumido de drogas pesadas ainda consegue achar graça nas coisas mais simples que a vida nos ofereçe.

– Is going!! Asnwer me the skinny and looking lost guy, that although it seems to much destroyed for the life and with your condition in to be a homeless and drug addict still can find grace in the simpler things that life offers us.

 

Portador de Turberculose há anos, o mesmo portava uma espécie de colar desses que os caçadores de vampiros usam nos filmes baseados nas histórias de John Carpenter, só que ao invés de cabeças de alho o excêntrico colar estava abarrotado de nebulímetros.

With tuberculosis for years, he had something like a necklace like the vampire hunters have in the John Carpenter’s movies, but instead of garlic heads the eccentric necklace was crammed with nebulizers.

– Como anda sua saúde? Perguntei-lhe

– How about your health? I asked him

 

– Olha, anda mais ou menos. Estou precisando comprar uns remédios mas minha mãe me pediu para levar R$ 30,00 para ela quando fosse para casa.

– So, more or less. I need buy some medications but my mum asked me to bring her R$ 30,00 when I back home.

 

Algo interessante à dizer sobre “P” é que o rapaz faz parte de um grupo específico dentro dos diversos tipos que habitam as ruas das megalópoles brasileiras. “P” vive nas ruas do Leme durante a semana trabalhando, por vezes usando drogas e dormindo embaixo de marquizes, mas todas as sextas à noite retorna para seu lar, na Favela conhecida como Vila do João, no entorno do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro.

Something interesting to talk about “P” is that the guy is part of another group into the several kind of groups that live the streets of the brazilian big cities. “P” live in the Leme streets working during the week, sometimes using drugs and sleeping under the marquees, but every Friday nights he back to his house, in the Vila do João Favela, around the Rio de Janeiro International Airport.

 

– E você conseguiu levantar uma grana essa semana cara?

– And was possible get the money in this week guy?

 

– Até que deu sim, mas como gastei muito agora não vou ter tanto para comprar “minhas paradas!!”

– Off course yes, but I spend to much money and now I will have no possibilitie to buy “my stuffs!!”

 

As “paradas” que ele fez menção são drogas. “P” é usuário de uma grande gama delas onde a mais “light” eu diria, é a maconha. Se é que pode-se dizer que “existem drogas mais lights que outras”. Me recordo do depoimento do Rodolfo Abrantes, Ex-Vocalista do Raimundos e hoje missionário evangélico Rodolfo Abrantes no programa Altas Horas. Ao ser questionado sobre as drogas, algo que lhe era tão comum na época de Popstar como é para os que tem sede beber um copo d’água, ele foi enfático em colocar a questão ilusória por traz das drogas e que em geral, quando se é um usuário costumaz você vive tão em função da relação religiosa que tem com esta que dificilmente faz determinados questionamentos:

 

The “Stuffs” that he told me was about the drugs. “P” use a lot of diferent kind of drugs and the most “light” is the marijuana. I don’t know is possible to say that “we can find quieter drugs”. Now I remember an interview with Rodolfo Abrantes, the Ex-vocalist of the Raimundos (a brazilian rock band) who today is an evangelical missionary in the Altas Horas TV Program. When someone asked him about drugs, something so comum in his popstar period as it is for those who thirst for a drink of water, he was emphatic in saying the illusory question behind the drugs that in general, when you’re an addict you live in function of the religious relationship that you have with this and It’s hard to even question this:

 

“ Cara eu creio que são poucos os usuários que dizem que não são viciados, mas na maioria todos são. A droga que eu mais gostava era a maconha, e todo mundo fala que a maconha não vicia, a maconha é a droga da paz, então tá, tira a maconha do cara para você ver a paz que ele fica? Ele fica estressadinho…”

Rodolfo Abrantes – Altas Horas 17 /07 /2011

 

So, I believe there are few addicts say that they are not addicts, but the most of them are. The drug that I like the most was the marijuana, and everybody says that is impossible to be addict with marijuana, that the marijuana is the peace drug, but so, takes the marijuana from an addict to see the peace he gets? He will get rather stressed…

Rodolfo Abrantes – Altas Horas 17 /07 /2011

 

Deixando à parte o caso do Rodolfo (e acredito que valha muito à pena à todos os que leem estas linhas assistir a entrevista na íntegra no You Tube)  toda a paz de quem é usuário de drogas de fato acaba quando este fica “de cara” como dizem no jargão popular, pelo menos até este se acostumar a ser careta. E era assim que “P” se encontrava naquele momento: “De cara”, sem droga e muito chateado. O rapaz tinha resolvido ir até a casa da mãe naquela tarde, e relatou que na saída da favela foi abordado por dois policiais que lhe levaram tudo o que tinha:

Leaving aside the Rodolfo case (but i think is very interesting to everybody that is reading this lines now watch this interview in the You Tube) I really think that all peace of who use drugs in general disappear when they have nothing to use for some time, at least until this people really want stop and is strong enough to handle with the situation. And this is was the “P” situation in this moment: Without drugs and angry. He had decided go until his mum’s house in the afternoon, and says that when he was leaving the favela two policeman stop him and take everything that he had.

 

– Como foi isso? Perguntei-lhe

– How it happen? I asked him

 

– Ahhh cara, eu é que dei mole. Lá tá até tranquilo pra entrar e sair sabe? Mas não dá pra ir na favela comprar bagulho e ficar plantado muito tempo em frente a boca…e foi nisso que eu dei mole.

– Ahhh guy, I was na idiot. Is so quiet there to go and leave you know? But you can’t go until som favela to buy drugs and stay there for a long time in front of the place where you bought it…and this is was my mistake.

 

– Você usou lá mesmo? Perguntei

– Did you use all there? I asked

 

– Não, não….eu estava com uma maconha de R$ 20,00 e seis cápsulas de cocaína de R$ 20,00 cada uma. Pra passar batido eu entoquei tudo dentro de um saco de pipoca desses de pipoca Frank sabe? E fiquei comendo ali porque o ponto de ônibus é bem em frente, mas aí eles me abordaram:

– No, no…I had some marijuana that coast R$ 20,00 and six cocaine capsules that coast R$ 20,00 each one. To keep it ride I put everything in the popcorn packet…the red packet you know? And I was eating it there, because in front of where I bought it have a bus stop, but they stop me there:

 

– E aí, cadê a droga viciado? Disse um dos policiais

– Where the drug your fucking addict? Says one of the policeman

 

– Não tenho nada  não Senhor. Disse “P”

– I have nothing with me Sir. “P” says

 

– Não tem não né? Então é o seguinte…vou te passar um pente fino. Se eu encontar alguma coisa tu vai apanhar aqui na frente de todo mundo certo?

– Do you have nothing isn’t it? So…I will search you. If I find something you will get hit in front of all this people right?

– Cara, parece que foi coisa mandada sabe?  Porque ele veio direto e me tomou o saco de pipoca da mão!! Exclamou “P”

– Guy, looks like someone said to them to search me you know? Because he take the popcorn packet of my hand!!

 

– Deixa eu ver essa pipoca aqui se está gostosa. Disse o agente

– Let me check if this popcorn is good. The policeman says

 

– Ele foi apertando o saco de pipoca de baixo pra cima e tudo começou a cair. Eu fiquei nervoso e só disse à ele para não fazer aquilo com a minha pipoca…que estava caindo tudo no chão, mas ele não parava. Ele já tinha tocado a droga que estava lá dentro e então caiu tudo no chão.

– He was squeezing the package from the bottom up and everything starts to fall. I started getting nervous and just say to him to don’t do it with my popcorn…that everything was falling in the floor, but he don’t stop. He felt and touch the drug already, and everything fall in the floor.

 

– Então quer dizer que você não tem flagrante nenhum né? Disse o policial

– So, you said that you have any drugs with you isn’t it?

 

 

– Ele me deu duas porradas no pescoço e me mandou ajoelhar no chão e comer toda a pipoca que estava caída. Antes ele pisou em tudo…o chão tava todo imundo e o ponto de ônibus tava cheio de gente…fiquei cheio de vergonha mas comi. Eu não queria levar mais porrada!! Eu tinha os R$ 30,00 da minha mãe no bolso e no final tu acredita que ele me devolveu o dinheiro e nem ficou pra ele?

– He give me two punches on the neck and told me to kneel and start to eat the popcorn. Before he even stepped on everything…the floor was very dirty and the bus stop with a lot of people…I was shamed but ate it. I did not want to get carried away any more!! I still have the R$ to give to my mother and do you believe that in the end he gave me it back?

 

– Toma aí tua grana seu maconheiro de merda…e mete o pé daqui!!!

– Take your money your fucking addict…and go away from here!!!

 

-Tu acredita que as capsulas de pó não estouram quando ele pisou cara? Eu ainda ia pedir devolta sabe?

– Do you believe that the cocaine capsules do not broken when he stepped it guy? I think in ask him to give me it back you know? “P” said

 

-Você é maluco cara? Eu disse

– You’re mad guy? I said

 

-Porra, isso custa caro cara. Eu podia dar a grana que era da minha mãe para eles, pedir para me colocar no carro e me levar dali como se tivesse me levando preso sabe? Podiam até me dar uma porradas novamente…tem uns policiais que aceitam isso!! Ele disse

– Porra, this is expensive guy. I could give the mum’s money to them, say to put me in the police car and take from there like we are going to the police station you know? They could even hit me again…some policeman accepted it!! He says

 

Perguntei à “P” ele se ele estava bem, se estava com fome naquele momento e o que eu poderia fazer para lhe ajudar, a resposta em devolutiva foi:

I asked “P” if he was fine, if he was hungry at the moment and what I coud to do to help him, and his answer was:

 

– Cara eu tô bem, só tô muito puto que ainda tenho que dormir aqui essa madrugada e é difícil pra mim dormir sem fumar maconha sabe?

– Guy, I’m fine, just to much angry because I still need sleep here at night and is very difficult for me sleep without smoke some marijuana you know?

 

Disse isso e chutou uma lixeira laranja da Comlurb, me agradeceu e foi atender um dos moradores locais que estava saindo com o automóvel. O motorista lhe chamou para pagar pela lavagem do carro e lhe entregar um casaco de frio. Eu muitas vezes vi o motorista fumando maconha várias vezes na janela de seu apartamento quando morei ali…

He said it that and kicked an orange Comlurb trash can, said thanks to me and went to talk with a guy that live in the building in front of us and parked his car. The driver call him to pay for the washing and to give him a coat. I saw the driver using marijuana a lot of times in his window when I lived there…

 

De fato, existem diferentes tipos de paz para os viciados e traficantes que apanham ou morrem nas favelas só para que outros viciados possam ter a paz de fumar um simples cigarro de maconha no conforto de seus lares!!!

In fact, have diferent kind of peace to the addict and drug traficants who get hit or die in the favelasjust to for another addicts can have peace to smoke their simple marijuana cigarrete in their confortable places!!!

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s