COM “ENEM” OU NÃO VALE A REFLEXÃO

ocupacoes

FOTO: Weeb

Os canais de mídia  no dia de hoje estão trazendo de forma bombástica as “não” tão boas novas acerca do adiamento da prova do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e algumas correlações em nada interessantes com as quase 70 Escolas Estaduais ocupadas desde março deste ano . Em nada me surpreende a forma como os canais midiáticos apresentam o que é um “Movimento Social” tentando travestir o mesmo em algo nocivo à uma sociedade que há muito está perdida em pré-noções bem mais preocupantes para o todo.

        Apesar de ser escritor e artista plástico, me formei em Serviço Social pela PUC-RIO, e analiso o fato de hoje estar vivendo – ou tentando sobreviver – da venda de meus livros e de trabalhos artísticos um importante índice indicador de que a educação, sendo esta pública ou particular, superior ou não, nem sempre nos oferece o que deveria ser o óbvio dentro de uma lógica onde as melhores condições de estudo fazem de nós melhores que outros e assim capazes de passar por cima destes que menos tiveram para se capacitar. Este caráter “não-lógico” do que foi criticado por esta mesma mídia e por todos aqueles que como diz a canção do Gabriel Pensador “sentam-se em frente a programação da TV apenas para serem programados” estava representado na forma em que as aulas passaram a ser ministradas nestas ocupações assim como a gestão pautada na administração dos próprios estudantes, sendo estes fatores, por vezes, os mais importantes para formar seres humanos conscientes de que a linearidade de um sistema que há muito é desprovido de ações atrativas à ponto de manter estudantes jovens dentro de Unidades Escolares que mais nos remetem à estrutura de cárceres em suas infraestruturas.

        Desde que tal Movimento Social teve início, fiz questão de visitar o máximo de Unidades Escolares ocupadas que pude. Por vezes só, noutras acompanhado de amigos que como eu são ativistas (ou não) mas que queriam sentir um pouco da energia e do sopro de esperança que estes que são dito por muitos como sendo “o futuro do país” estavam realizando à um nível macro, deixando de lado os seus preciosos celulares, computadores, os namoros e a praia para fazer a diferença dentro de Escolas Públicas falidas pela incapacidade de adultos sem amor pelo que deveriam fazer com comprometimento. Vi de tudo um pouco neste período: Estudantes ministrando aulas, estudantes cozinhando para si próprios, se organizando em turnos para vigia diurna e noturna, tendo responsabilidade suficiente para montar os planos de aula e as atividades culturais que passaram a ocorrer nos espaços e fui até chamado a atenção quando numa destas visitas acendi um cigarro, sendo avisado de forma muito educada e coerente de que “era proibido fumar no local para evitar que alguém de fora pudesse filmar e dizer que meninos e meninas estavam fazendo uso de substâncias ilícitas”.

        Pude observar artistas famosos e engajados com causas sociais sendo massacrados – novamente pela mídia – por comuns e até mesmo por outros artistas mais ligados á pompa do que com a possibilidade de poder estarem satisfeitos com uma sociedade que voltou a lutar sem pegar em armas, mas apenas com a ideologia de que tudo está errado da forma com que se apresenta, e mais, vi muito do que é gasto com o dinheiro público se esvaindo pelo ralo imundo da incompetência e do descaso representado em pilhas de livros, mesas, cadeiras e eletrodomésticos e eletrônicos que apodreciam ao relento em algumas destas escolas.

        Estava hoje a viajar num ônibus que porventura passou em frente a uma destas Escolas e só tive um pensamento em minha mente, a canção “Assaltaram a Gramática” da Banda “Paralamas do Sucesso”. Pensar na distorção que foi e vem sendo feita dentro do que eu e outros classificamos como sendo um dos maiores acontecimentos do Campo Movimentalista à nível Nacional é realmente “assassinar a lógica” sem colocar nem “um pouco de poesia na bagunça do dia-a-dia”. Lembrando que assim como também diz a canção “serem os poetas a pimenta do planeta” a nossa educação ainda é sim capaz de formar “poetas com coroas de louro”.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s